10 executivos que vão doar a maior parte de seu dinheiro em vez de deixar para família

By | 13/06/2015
Mark Zuckerberg - Facebook Home (Foto: Getty Images)

Aviões particulares, casas de praia e carros de luxo. Pode até ser que gastar dinheiro de forma extravagante seja hábito de alguns bilionários de empresas de tecnologia. Mas muitos deles prefere dar outro destino a suas fortunas: a caridade. Bill Gates, Mark Zuckerberg, Larry Page e Elon Musk estão entre eles. O site de notícias Business Insider reuniu os executivos que já se comprometeram a doar boa parte de sua riqueza em vez de simplesmente deixar tudo para os filhos. Confira:

Bill Gates, cofundador da Microsoft. O empresário sempre deixou bem clara sua decisão de não dar sua fortuna inteira, estimada em US$ 84,9 bilhões, para seus três filhos. Cada um deles deve ficar apenas com uma pequena parcela, cerca de US$ 10 milhões. "Definitivamente, acho que deixar uma grande quantidade de dinheiro para suas crianças não é fazer um favor para elas", disse em fevereiro, durante uma entrevista. Ele criou a Fundação Bill & Melinda Gates em 1994, que atualmente tem mais de US$ 36 bilhões em ativos. Além disso, uniu-se ao amigo de longa data Warren Buffett para iniciar uma campanha chamada "The Giving Pledge", que incentiva outros bilionários a doar pelo menos metade de sua fortuna para a caridade.

Elon Musk, CEO da Tesla. Ele tem cinco filhos – gêmeos e trigêmeos. Mas já doou grande parte de seus US$ 12,9 bilhões para projetos de energia renovável, educação e saúde pediátrica. Ele assinou o Giving Pledge em 2012, comprometendo-se a doar boa parte de seu dinheiro para causas beneficentes.

Larry Page, CEO do Google. Prefere dar destinos inusitados à sua fortuna. O executivo por trás do gigante de buscas falou durante uma entrevista, em março, que em vez de dar seus bilhões para os dois filhos, achava melhor oferecer para empreendedores como Elon Musk, dono de grandes ideias que podem mudar o mundo. "[Musk] quer ir a Marte. Isso é um objetivo digno", afirmou.

Larry Ellison (Foto: Getty Images)

Larry Ellison, fundador da Oracle. Mesmo com seu estilo de vida luxuoso, o empresário se comprometeu a doar 95% de sua riqueza para a caridade, especialmente sua fundação de pesquisas médicas. "Warren Buffett pessoalmente me pediu para escrever esta carta porque disse que eu estaria 'dando o exemplo' e influenciando outros", escreveu para o Giving Pledge, em agosto de 2010. Mas seus filhos estão seguros também. Ele deu às crianças ações da Oracle quando ainda eram bebês (e a empresa valia bem menos).

Mark Zuckerberg, cofundador e CEO do Facebook. Quando assinou o Giving Pledge em 2010, ele tinha uma fortuna estima em US$ 6 bilhões. Esse número já subiu para US$ 35,9 bilhões – e a maior parte vai para caridade. Zuckerberg e sua esposa, Priscilla, recentemente deram US$ 75 milhões dólares ao Hospital Geral de San Francisco, que fez várias melhoras de infraestrutura com o dinheiro. Eles também já doaram cerca de US$ 1 bilhão em ações do Facebook à Fundação Vale do Silício.

Dustin Moskovitz, CEO do Asana. Terceiro funcionário do Facebook, o empresário é um dos mais jovens bilionários a assinar o Giving Pledge. "Como resultado do sucesso do Facebook, ganhei capital além das minhas expectativas. Hoje, vejo que a recompensa não como riqueza pessoal, mas como uma ferramenta com a qual espero trazer ainda mais benefícios para o mundo", disse em sua carta. Moskovitz e a esposa, Cari Tuna, fundaram a Good Ventures para para ajudar a distribuir sua riqueza.

Sheryl Sandberg ao lado de Dave Goldberg. (Foto: Reprodução Facebook)

Sheryl Sandberg, COO do Facebook, e Dave Goldberg, ex-CEO da SurveyMonkey. O casal, que tem dois filhos, assinou o Giving Pledge em 2014 para doar metade de sua riqueza. Eles não destinaram a uma causa específica. Goldberg morreu em maio após um acidente enquanto se exercitava no México.

Reed Hastings, fundador e CEO do Netflix. Ele e sua esposa, Patti Quillin, assinaram o Giving Pledge em 2012, quando seu patrimônio líquido era avaliado em US$ 280 milhões. A fortuna subiu para US$ 1 bilhão nos últimos anos. O dinheiro deve ir para projetos voltados à educação.

  •  

Richard Branson (Foto: Getty Images)

Richard Branson, fundador do Virgin Group. Além de os filhos do empresário serem filantropos em suas áreas, ele e a esposa, Joan, assinaram o Giving Pledge em 2013 para doar metade de sua riqueza. "Coisas não são o que trazem a felicidade. Família, amigos, saúde e a satisfação que vem de fazer uma diferença positiva são o que realmente importam", afirmou Branson.

Gordon Moore, cofundador da Intel. Metade de sua riqueza foi para a Fundação Moore em 2001. A entidade, que mira questões de conservação ambiental, medidas de saúde e a comunidade de San Francisco, atualmente tem mais de US$ 5 bilhões em ativos. Ele e sua esposa, Betty, assinaram o Giving Pledge em 2012.

Revista Época Negócios

  • Alessandro Perigo

    e quem garante isso? rsrsrs

    • Alessandro Perigo

      Ha uns 10 anos atras ouco falar isso.